top of page

Comunicação Ácida

"Diga-me se você ri, como ri, por que ri, de quem e do que ri, ao lado de quem e contra quem e eu te direi quem você é" (Jacques Le Goff, em O Riso na Idade Média).


Essa frase de Jacques Le Goff nos faz refletir que nosso riso tem relação com a nossa identidade. Aquilo sobre o que rimos conta algo sobre quem somos ou como enxergamos o mundo ao nosso redor. No editorial dessa semana, vamos refletir um pouco a respeito dos limites das brincadeiras e das piadas, bem como sobre os seus perigos.


A Bíblia não é, de forma alguma, contrária ao riso ou à alegria. Na verdade, a alegria que o povo de Deus tem nEle é um tema frequente nas Escrituras.


"Então a nossa boca encheu-se de riso e a nossa língua de cantos de alegria.

Até nas outras nações se dizia: O Senhor fez coisas grandiosas por este povo."

(Salmo 126.2)


Entretanto, a razão da nossa alegria e as circunstâncias que provocam nosso riso devem estar alinhadas com a vontade do nosso Deus. Como tudo debaixo do sol, mesmo o riso pode ser corrompido e manchado pelo pecado.


O teólogo A. W. Tozer escreveu: "Poucas coisas são tão benéficas na vida cristã quanto um agradável senso de humor, e poucas são tão mortais quanto um senso de humor descontrolado". A seguir, veremos alguns tipos de piadas ou brincadeiras que cristãos nunca devem fazer.


1) Brincadeiras que visam enganar


"Um louco furioso que lança chamas, flechas e morte:

tal é o homem que engana seu próximo e diz em seguida: mas era para brincar."

(Provérbios 26.18, 19)


Por vezes, brincadeiras podem ser destrutivas (chamas, flechas e morte). Brincadeiras podem ser, por vezes, mentiras disfarçadas de humor, que trazem destruição de relacionamentos.


2) Piadas relacionadas à imoralidade


"Não haja obscenidade nem conversas tolas nem gracejos imorais,

que são inconvenientes, mas, ao invés disso, ação de graças."

(Efésios 5.4)


Piadas ou brincadeiras que façam qualquer menção à imoralidade sexual devem estar longe dos lábios dos discípulos de Jesus. Esse é um ponto especialmente importante, na medida em que vivemos em um mundo profundamente sexualizado, no qual homossexualidade, adultério e traição são temas recorrentes nas piadas. Devemos vigiar nossos corações e nossos ouvidos para não nos encontrarmos rindo ou propagando brincadeiras que envolvam aquilo que Deus reprova. Piadas de duplo sentido, ou mesmo algumas coisas que parecem inofensivas, demonstram um coração que brinca com aquilo que levou Jesus para a cruz.


3) Humor que menospreza o próximo


"O homem que não tem juízo ridiculariza o seu próximo,

mas o que tem entendimento refreia a língua."

(Provérbios 11.12)


Com certeza você já presenciou uma roda de pessoas na qual o tema da piada era uma característica física de alguém. Em muitas situações como essa, o humor tende a virar desprezo e zombaria, principalmente quando acompanhado de um tom de superioridade. Porém, ao escarnecer de alguém por uma característica dada pelo Criador, indiretamente se ofende o próprio Criador. Nessa categoria entram ainda diversos tipos de piada envolvendo temas como: racismo, deficiências físicas, pessoas que passam fome e miséria em geral. Fazer brincadeiras com o sofrimento alheio definitivamente não agrada a Deus.


Conclusão:


Sendo o nosso Deus a essência de toda verdadeira alegria, certamente Ele deseja que Seus filhos sejam cheios de alegria, riso e bom humor. Entretanto, precisamos estar com nossas mentes e nossas bocas cheias da Palavra de Deus, para que o nosso humor esteja alinhado com aquilo que Lhe agrada. A Palavra de Deus nos dá um filtro para aquilo que deve ocupar nossos pensamentos. Com certeza, podemos aplicá-lo também para tudo aquilo que falamos, em particular, para o conteúdo de nossas brincadeiras e piadas:


"Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre,

tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável,

tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor,

pensem nessas coisas."

(Filipenses 4.8)


Editorial de Fernando Saraiva

Referências Bibliográficas:

[1] Le Goff, J. O Riso na Idade Média

[3] O melhor de A. W. Tozer: Textos inesquecíveis de um grande pregador

Σχόλια


bottom of page