Dando o Próximo Passo no Casamento

As lindas portas de madeira envelhecida da igreja estão se abrindo. O silêncio e o nervosismo tomam conta de todos os presentes à medida em que a noiva adentra a igreja ao som da tão sonhada e ensaiada marcha nupcial. O noivo, cheio de energia contida dentro de um paletó, olha para sua futura esposa e mal consegue conter tamanha emoção neste momento singelo. Tudo está correndo conforme o planejado. A cerimônia iniciou no horário marcado, o clima está lindo, como uma típica tarde de primavera deve ser, e a banda transmite todos os sentimentos ao tocar a bela coletânea escolhida pela noiva. Todos estão muito felizes e satisfeitos com o desfecho da cerimônia que por anos fora planejada.


Entretanto, a enorme expectativa que se cria ao redor das cerimônias tem se reduzido a isso, lindas cerimônias, enquanto os casamentos se mostram medíocres e cada vez menos duradouros. As lindas festas não se traduzem em matrimônios felizes e que apontem para Cristo, porque o foco tem sido cada vez mais no planejamento de grandes eventos do que no preparo para uma vida conjugal saudável. Por isso, temos enfrentado casamentos instáveis e infelizes enquanto o que Deus planejou foi algo bom quando disse: “Não é bom que o homem esteja só” (Gênesis 2.18). Olhando para este cenário, precisamos entender o que é o casamento, para então responder algumas perguntas: O que Deus espera de nós com relação ao casamento? Como podemos edificá-lo? E como o(a) jovem pode se preparar para o que há de vir?


O que é o casamento?


A maneira mais assertiva para definirmos o casamento e o seu propósito é voltando para o seu início. Como vimos em Gênesis 2.18, o casamento é um plano de Deus para a vida de um cristão. Após ter criado todas as coisas, Deus entregou a Adão uma esposa que lhe fosse companheira. Uma auxiliadora à altura. Com isso, Deus estipulou alguns padrões para o casamento. Primeiramente, é criação de Deus e não de homens, portanto, somente Ele tem a autoridade para definir, selar ou romper um relacionamento conjugal. E em segundo, porém, não menos importante, o casamento é necessariamente desfrutado entre um homem e uma mulher, pois foi assim que Deus o criou.


O que o casamento representa?


E este relacionamento tem propósitos e motivos para ter sido criado. Porém, em Efésios há um paralelo entre o relacionamento de Deus com a Igreja e de um marido para com sua esposa: “Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela” (Efésios 5.25). Deus estabeleceu o casamento para que fosse a materialização visível do relacionamento entre Ele e Sua igreja, ou seja, o homem ao amar sua esposa aponta para o amor de Cristo para com a igreja, e a esposa ao se sujeitar ao seu marido aponta para a submissão da igreja para com Cristo.


Qual a importância do casamento para a sociedade?


Embora haja um desprezo, ou uma diminuição na beleza e importância do casamento por parte da sociedade moderna, o casamento é de extrema importância. Em primeiro lugar, o casamento é a base da sociedade. Se não fosse o casamento e a ordenança de Deus para que o casal se multiplicasse, não seria possível a continuação da espécie humana.


“E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra,

e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus,

e sobre todo o animal que se move sobre a terra.”

(Gênesis 1.28)


Além disso, o propósito do casamento também traz uma importância para a sociedade. Ao ser a representação visível do relacionamento de Deus com a igreja, o casamento é um meio de evangelização para todos que estão em volta deste relacionamento.


Como edificar meu casamento?


1. Desenvolvimento espiritual contínuo


“Crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.”

(2 Pedro 3.18)


Parece óbvio, não é mesmo? E de fato é. Aliás, é tão óbvio quanto sério. O crescimento espiritual é necessário e encorajado ao longo de toda a Escritura (Efésios 4.15; Colossenses 1.10; 1 Tessalonicenses 4.1–8), e deveria ser uma busca constante de todo cristão. Para o casamento, é impreterível que os cônjuges busquem este desenvolvimento espiritual contínuo individualmente. Ambos precisam buscar, cada vez mais, conhecer a Cristo — Sua obra e pessoa. É conhecendo a essência da pessoa de Cristo que podemos compreender o significado e o propósito das coisas que Ele criou, inclusive o casamento. E quando cada um do casal faz sua parte em buscar ao Senhor, ambos crescerão juntos, refletindo a imagem de Cristo e da igreja por meio deste relacionamento. Hoje em dia, pela falta desse conhecimento, as pessoas dão ao casamento o significado que lhes é conveniente, não entendem que o casamento foi criado para ser algo bom e eterno (Mateus 19.6), que a dissolução desta aliança feita entre um homem e uma mulher é contrária à vontade de Deus, e que não viver o casamento como Deus planejou é pecado. Desenvolva seu casamento!


2. Desenvolva perdão


À medida em que nos aproximamos de Cristo, nossos pecados e necessidade da graça de Deus ficam mais evidentes. Paulo, em sua carta a Timóteo reconhece que ele mesmo era o pior dos pecadores (1 Timóteo 1.15). Esta declaração não foi colocada em contexto de falsa modéstia, ou porque Paulo tinha o conhecimento do pecado de todos os seres humanos daquela época. Paulo simplesmente entendia quem Cristo era e como a sua natureza era contrária à vontade de Deus. Tal compreensão do nosso pecado e do tamanho do amor de Deus para conosco é fundamental para estendermos este mesmo amor ao nosso cônjuge. O perdão é uma ordem de Deus, e revela Seu caráter gracioso, bondoso e misericordioso! Ele mesmo nos perdoou para que fôssemos dignos da vida eterna e coerdeiros com Cristo. E assim como Ele nos perdoou, devemos perdoar àqueles que pecam contra nós (Efésios 4.31, 32). Essa realidade se intensifica no contexto do casamento, uma vez que são dois pecadores se relacionando constantemente e com intensidade. Pecadores pecam, e o perdão recíproco é a única forma de um casal permanecer junto, crescendo para a glória de Deus.


3. Seja intencional


Essa tarefa não é nada fácil, muito menos natural, mas é essencial. Atitudes intencionais que demonstram amor ao cônjuge não são menores do que atitudes “espontâneas”. Na realidade, elas demonstram um compromisso e uma decisão que é tomada a cada dia, de amar e servir ao outro. Tanto atitudes intencionais quanto atitudes inesperadas irão fortalecer o relacionamento, contribuindo para que a glória de Deus se torne visível no casamento. Um relacionamento assim será um encorajamento para os casais ao redor, e para os jovens solteiros que sonham com um matrimônio.


Para jovens solteiros(as), preparem-se!


A esta altura, você jovem que anseia por um matrimônio já deve ter entendido que não será uma tarefa fácil, mas possível pela graça de Deus. Por isso, prepare-se, ore e espere em Deus. No entanto, essa espera é ativa, e não passiva. Hoje, se desenvolva como filho(a), amigo(a), aluno(a) e profissional — como cristão de uma forma geral. A palavra de Deus nos orienta acerca do papel do jovem no meio da comunidade: “O solteiro cuida das coisas do Senhor, e como há de agradar ao Senhor” (1 Coríntios 7.32). Ore menos para que Deus te mostre quem é a pessoa certa, e ore mais para que Deus o ajude a ser a pessoa certa. Jogue fora a sua lista de 20 coisas que a outra pessoa deve ser para você se casar com ela, e faça uma lista de 20 coisas que você precisa ser para se casar — e acredite, quando você estiver caminhando na estrada certa você também encontrará pessoas que estarão na mesma estrada e que têm as mesmas prioridades.


Para refletir


O casamento é honroso e motivo de muita alegria, mas para que seja possível o desfrutar de um relacionamento conforme o que fora planejado por Cristo, passos práticos precisam ser tomados para que possamos progredir na jornada do matrimonio. Por isso, gostaria de propor algumas “tarefas” para o seu desenvolvimento matrimonial:


· Elogie seu cônjuge por algo simples que ele realizou ou costuma realizar. Com certeza ele ficará muito feliz;


· Escolha uma atividade que costumeiramente seja de responsabilidade de seu cônjuge e alivie este fardo dele. Explique para seu cônjuge que o amor é sacrificial;