top of page

Em Tudo Dai Graças!

No mundo em que vivemos, a gratidão não é mais um valor considerado precioso. A sociedade do século XXI prefere outros valores, como direito, recompensa e equidade. Quando um tema político é discutido por exemplo, raramente é para de alguma forma agradecer por um serviço prestado por uma autoridade pública, mas sim para reclamar e exigir. Essa mentalidade moderna deve-se a uma visão equivocada sobre quem é Deus e sobre quem é o ser humano.


Porém, para o cristão a gratidão e o contentamento devem ser o ar que respiramos. Grande parte da vitalidade de nosso viver cristão flui do ato diário de darmos graças, movidos pelo Espírito Santo. Mas a realidade de muitos cristãos às vezes parece mais alinhada com o mundo do que com as Escrituras. Como podemos então crescer em gratidão e ações de graças em um mundo que debocha do contentamento?


Deus criou tudo perfeito, mas nós estragamos tudo. Deus proveu então uma maneira de nos reconciliarmos com Ele.


“No princípio, criou Deus os céus e a terra.”

( Gênesis 1.1)


“Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou;

homem e mulher os criou.”

( Gênesis 1.27)


“Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente.

Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.”

( Gênesis 3.15)


Aquilo que a sociedade moderna ignora, e muitos dos cristãos se esquecem, estão nas primeiras páginas da Bíblia. No começo de tudo foi Deus quem tomou a ação de criar os céus e a terra. Foi Deus quem trouxe ordem ao caos e encheu de criaturas o vazio no princípio do universo. E tudo que Ele fez foi muito bom, isto é, próspero, perfeito, e sem pecado. Os seres humanos foram criados como "sub-regentes" da criação e feitos à imagem de Deus. O mundo criado gozava dos prazeres que o Jardim do Éden proporcionava. No centro de tudo estava o relacionamento entre o Deus Criador Gracioso e toda a Sua criação que respondia com louvor e gratidão a Ele.


Porém, tudo mudou de maneira drástica. Adão e Eva se rebelaram contra Deus e caíram na tentação da serpente que sugeriu que eles comessem do fruto proibido. É notável aqui a maneira como a serpente tentou: “É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim?” (Gênesis 3.1). Parte da estratégia do inimigo é pintar Deus como um carrasco, como alguém que está ocultando algo muito bom para nós, e essa é uma mentira terrível que precisamos lutar contra diariamente. Desse modo, um outro motivo para buscarmos crescer em gratidão a Deus é que o inimigo está sempre tentando destrui-la.

Ainda assim, Deus teve misericórdia de nós e ainda quando pronunciava julgamento sobre a humanidade incluiu uma promessa graciosa de que o descendente da mulher pisaria a cabeça da serpente (Gênesis 3.15). O descendente da mulher é o Senhor Jesus Cristo, que viveu uma vida perfeita e morreu na cruz pelos nossos pecados (Gálatas 4.4; Romanos 5.1, 6). Portanto, podemos ser perdoados e termos um relacionamento restaurado com o Pai por meio da fé em Jesus Cristo (João 3.16 e 17).


Deus sustenta tudo e todos para Sua própria glória e louvor.


“Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo.

Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem;

para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste,

porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos.” (Mateus 5.43–45 – Ênfase do autor)


Como se todas as bênçãos e inúmeras manifestações de graça e paciência do nosso Deus na criação e redenção não bastassem, Deus ainda resolveu sustentar tudo e todos. No Sermão da Montanha, o Senhor Jesus Cristo deixa claro que o Pai dá de maneira graciosa para todas as pessoas. Essa graça que Deus dá para todos é denominada de Graça Comum.


É através dessa graça que Deus sustenta todas as pessoas provendo o sol, chuvas, estações do ano, oxigênio, comida, roupa, capacidade física e intelectual etc. Essa é outra demonstração incrível da graça de Deus que deve nos encher de gratidão, pois nós não teríamos médicos, tecnologia, medicamentos, meios de transporte, energia etc., se Deus refreasse a Graça Comum.


Deus cuida dos Seus filhos e todas as Suas dádivas são graça dEle.


“Naquele dia, nada me perguntareis. Em verdade, em verdade vos digo:

se pedirdes alguma coisa ao Pai, ele vo-la concederá em meu nome.

Até agora nada tendes pedido em meu nome;

pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja completa.”

(João 16.23 e 24)


Através da fé em Jesus Cristo nos tornamos filhos de Deus e temos livre acesso ao nosso Deus e Pai. Neste relacionamento, somos encorajados a pedir de maneira ousada e coerente com o que já recebemos em Jesus Cristo (“em meu nome”). O objetivo de pedirmos e o Pai conceder é para que a nossa alegria seja completa. Talvez parte do nosso descontentamento esteja ligado com o fato de que não pedimos, ou porque pedimos de maneira egoísta (Tiago 4.2 e 3).


A vida cristã é graça do começo ao fim. No princípio, recebemos graça ao sermos criados e recebermos vida. Mais graça ainda recebemos quando pecamos, pois Deus proveu um meio de sermos salvos. Recebemos graça quando dormimos, quando acordamos, enquanto lemos um post, pois Deus sustenta todas as coisas e distribui a Graça Comum livremente. Recebemos graça ainda quando oramos por uma necessidade ou desejo e nosso Pai nos concede no nome de Jesus. Portanto, já que recebemos tanto, estamos satisfeitos. Por meio da obra do Espírito, aquilo que o coração grato precisa mesmo é dar graças a Deus e viver contente no Senhor!


Editorial de Leonardo Cordeiro


コメント


bottom of page