Buscar

Esperança para um coração cansado

Atualizado: 21 de Ago de 2018

Perdido, desorientado, confuso, frustrado… Poucos não se sentiram dessa forma em algum momento da vida. São aquelas horas em que olhamos ao redor e nos sentimos tão angustiados que não conseguimos pensar em nenhuma solução para o problema que estamos passando. Ouvimos uma voz dentro de nós dizendo: “Não vai dar certo, você está perdido”, e só nos afundamos mais e mais na nossa culpa e desespero. Muitas vezes parece que nos engolfamos nas ondas a ponto de não termos esperança de subir à tona. A única esperança é que alguém venha. Que alguém nade em nossa direção e nos puxe para cima. Que alguém não apenas mude a nossa situação, mas transforme também o nosso ser destruído. Esse é o tema do Salmo 40, e podemos tirar algumas lições muito importantes para quando esses momentos de tribulação chegarem.


Em meio à tribulação, lembre-se de quem Deus é

Davi baseia a sua oração naquilo que ele conhecia de Deus. Davi sabia que Deus era confiável, e todas as maravilhas que Ele já havia operado mostravam seu poder. Mais que isso, Ele era como um Pai que ouvia, corrigia e vinha em socorro dos seus filhos. Ele era o Deus que já o havia restaurado antes, e certamente poderia fazer o mesmo naquela situação que estava passando. O sofrimento e os problemas que passamos tendem a nos cegar, tentando tomar toda a nossa atenção, mas a verdade da palavra de Deus é o maior antídoto contra isso. Afirmar o caráter do Senhor em meio à tribulação coloca as coisas em perspectiva: “Há algo que Ele não possa fazer? O que a Bíblia (e a minha história, secundariamente) mostra sobre o Deus a quem sirvo?“. Essas perguntas nos levam a olhar para cima, tirando o nosso foco da situação e recolocando-o em Deus.


Em meio à tribulação, lembre-se de quem você é

Mas saber do caráter de Deus não era suficiente. Diante da afirmação de um Deus tão grandioso, uma resposta é exigida daquele que reconhece tal fato. Diante dEle, mesmo o rei devia reconhecer sua posição de pecador necessitado de misericórdia, assim como todo o resto da humanidade. Davi sabia que seu maior problema (e a origem de todos os outros) eram seus pecados diante de um Deus santo, e que era exatamente isso que tirava a sua vitalidade. Ao ser confrontado com essa realidade, sua reação vai além do natural: ele espera humildemente a ação de Deus, o único que poderia consertar isso por meio daquele que proveria o sacrifício perfeito.


Conhecer a Deus nos faz lembrar de que Ele é misericordioso, mas saber quem realmente somos nos faz enxergar nossa total incapacidade de resolver nosso problema quanto ao pecado e seus efeitos e efetivamente dependermos de Deus. Seu chamado é que nos acheguemos a Ele, pois Ele é poderoso para nos tirar de qualquer situação. E mesmo se não tirar, Ele nos provê o consolo e nos ensina a olhar para tudo da maneira correta.


Em meio à tribulação, lembre-se do que Cristo fez

Mesmo assim, Davi falava de uma salvação que ele mesmo não conseguia tocar, mas via com os olhos da fé. Seu clamor não dá margem para uma saída humana, pois ele é efetivamente solucionado em Cristo, que é a resposta de Deus para o problema do pecado, a expressão do amor e da misericórdia de Deus! Ele foi aquele que cumpriu perfeitamente a vontade de Deus e ainda assim se entregou como sacrifício por nós, nos tirando de um império de trevas e nos levando para a sua maravilhosa luz. Não nos admira saber que o maior livro de todos os tempos tem Ele como tema.


Por isso, ânimo! Deus já proveu a solução para todos os nossos problemas atacando a fonte de todos eles: Cristo pagou o preço pelos nossos pecados. No meio do desespero, nossa cegueira faz com que olhemos apenas para baixo, mas Deus nos chama a olhar para Cristo, que veio em nossa direção transpondo a distância entre Criador e criação para nos salvar, nos transformar e nos dar a promessa de que estará sempre conosco, que um dia não haverá mais choro nem dor! Diante desses fatos, que dificuldade pode resistir? Com Cristo, podemos olhar em frente e saber que o livramento virá!


Editorial de Petrônio Nogueira



© 2018 Igreja Batista Maranata. Todos os direitos reservados.