top of page

Falar Ou Não Falar?

“Porque todos tropeçamos em muitas coisas. Se alguém não tropeça em palavra,

o tal varão é perfeito e poderoso para também refrear todo o corpo.”

(Tiago 3.2)


Lidamos diariamente com situações difíceis por conta de pecados ou dificuldades pessoais. Existem tensões nos relacionamentos que afetam as pessoas. Vamos experimentar conflitos, seja conosco ou ao nosso redor, e muitos deles com pessoas que amamos. Mas a pergunta continua: Quando falar e quando não falar?


Esta é uma pergunta muito difícil. Existem muitos fatores que devem ser considerados. Por um lado, a Bíblia nos diz que existem virtudes em não falar. Por outro lado, ela também nos manda aconselhar, encorajar, consolar e confrontarmos uns aos outros.


Pensando nisso, veremos alguns princípios para nos ajudar a responder às seguintes questões:


• Diante do que vemos, o que devemos falar e o que devemos deixar passar?

• Quão ativos devemos ser diante do mal que vemos ao nosso redor?

• O que cabe a nós fazermos diante do que acontece ao nosso redor?


Repreensão e correção é um assunto sério nas Escrituras (1 João 1.8; 1 Timóteo 3.16), bem como a nossa responsabilidade uns para com os outros (Efésios 4.29; Colossenses 3.16). Por isso, não podemos nos omitir na tarefa do aconselhamento mútuo.


O caráter do confrontador


Antes de entrarmos nos princípios, é importante enfatizar a exortação que o Senhor deixa para aqueles que exercem a confrontação. O Senhor Jesus nos exorta a tirarmos primeiro a trave do nosso olho, para só então tirarmos o cisco no olho de nosso irmão (Mateus 7.3–5). O apóstolo Paulo escreve para Timóteo em sua segunda carta: “Fuja dos desejos da juventude... não se envolva com discussões tolas e estúpidas... em vez disso, seja gentil com todos, capaz de ensinar, não ressentido... instrua gentilmente, na esperança que Deus lhe conceda o arrependimento...” (2 Timóteo 2.22–26 – ênfase do autor).


Confrontação bíblica requer integridade, humildade, motivação justa, mansidão, forma correta e amorosa por parte do confrontador, onde ele primeiro confronta a si mesmo e depois busca ajudar o irmão em dificuldade. Embora seja algo “óbvio”, é igualmente esquecido. E o fato é que, esquecer dessas coisas, impactará negativamente nossa interação com outras pessoas.


Dito isso, vejamos alguns princípios de quando falar ou não falar, e fazê-lo de maneira sábia e amorosa.


Quando não falar¹


O livro de Provérbios é repleto de versículos sobre a sabedoria no falar, como: “Quem se mete em questão alheia é como aquele que toma pelas orelhas um cão que passa” (Provérbios 26.17), “O que guarda a boca e a língua guarda a sua alma das angústias” (Provérbios 21.23) e “O que guarda a boca conserva a sua alma, mas o que muito abre os lábios a si mesmo se arruína” (Provérbios 13.3).


Antes de confrontarmos alguém, precisamos tomar alguns cuidados. Considere os princípios:


Quando a ofensa for contra você, opte pelo perdão e releve (Provérbios 19.11):

Quando possível, releve a ofensa, para que o relacionamento não seja afetado e o caminho para a restauração permaneça aberto. Trate a ofensa em momento oportuno.


• Quando não entender todo o contexto da situação (Provérbios 18.13, 17):

Julgamentos precipitados podem agravar a situação.


• Se sua motivação não estiver correta (Colossenses 3.12 e 13):

O objetivo do confronto não é infringir dor ou buscar vingança, e sim honrar a Deus, orando pelo ofensor e dando espaço para o arrependimento e perdão.


• Se a outra parte não está disposta a ouvir (Lucas 10.16):

Não insista.


• Se o momento não for adequado (Provérbios 25.11–13):

Se o assunto não for urgente, aguarde o momento adequado. A forma de falar e o momento são tão importantes quanto o conteúdo.


• Se ainda restar alguma raiz de ira ou amargura em seu coração (Salmo 37.8):

Trate completamente seu coração. Lembre-se, reagir mal também é pecado.


Quando falar²


Quando você estiver certo de que já sondou seu coração, que não há qualquer marca de ira ou amargura de sua parte, que seu objetivo é exclusivamente glorificar a Deus, trazer instrução, maturidade e amor ao ouvinte, fale, considerando os princípios:


• Deixe o amor conduzir (Colossenses 3.12–15):

O que deve conduzir a conversa é o amor.


• Procure captar o máximo de informações do contexto (Provérbios 18.13):

Ouça bem e com atenção. Você pode não saber informações importantes.


• Ore por clareza (Tiago 1.5–8; Provérbios 3.5 e 6):

Você também está aprendendo no processo, clame por sabedoria.


• Ouça sua consciência (Hebreus 13.18; Tiago 4.17):

O Espírito Santo pode incomodar de maneira a nos levar a agir.


• Peça ajuda (Provérbios 11.14; Hebreus 10.24 e 25):

Peça orientação a irmãos maduros para te ajudar na condução do processo. Isso não é fofoca ou maledicência, é um passo de sabedoria.


• Atenção na forma de falar (Provérbios 16.24):

A escolha das palavras, o tom de voz e a comunicação não verbal são tão importantes

quanto o conteúdo em si.


• Aguarde o momento adequado (Provérbios 25.11–13):

Se não for urgente, aguarde o melhor momento.


• Esteja preparado para qualquer tipo de reação (Romanos 12.21):

Cada pessoa reage de um jeito ao ser confrontada, por isso seja paciente e amoroso.


Conclusão


O objetivo sempre será uma missão de resgate, restaurar aquilo que foi rompido ou danificado pelo pecado. Por vezes, o desejo de fazer a coisa certa pode ser meramente o medo de fazer a coisa errada. Por isso, sempre devemos nos guiar pela Palavra de Deus, dando-nos segurança na decisão de falar ou não. Confrontar alguém não é uma tarefa fácil, e nos leva a depender mais de Cristo e do poder do Evangelho.


No fim, o ponto principal não deve ser apenas o falar ou não falar, mas sim como glorificar a Deus com nossas motivações e atitudes, visando o crescimento e cuidado com o outro, sempre debaixo de muita oração.


Editorial de Dimas Rodrigo

¹ Fonte: Artigo “To Confront or Not to Confront? That Is the Question”: https://www.biblicalcounselingcoalition.org/2023/06/05/to-confront-or-not-to-confront-that-is-the-question/

² Fonte: Artigo “How Do We Confront in Wisdom and Love?”:



Comments


bottom of page