Missões no Uruguai - 10 anos

Coisas que eu vi (e que eu não vi) neste campo missionário


O tempo é uma criação divina, ele impõe uma regra a que todos devem se sujeitar. Caso raro de regra onde a exceção simplesmente não existe. A regra do tempo exalta a perfeição da cadência, o ritmo é ininterrupto e constante, não segue ninguém e está acima de qualquer circunstância capaz de o afetar, enfim o tempo não para.


Deixando este campo filosófico de lado, encontramos a mesma conclusão nas pitorescas frases de para-choque de caminhão repletas de sabedoria popular que transitam pelas estradas do tipo: “Tem coisas que levam tempo, e tem outras que o tempo levam”, ou ainda “Tudo vem no tempo certo, exceto dor de barriga e fome” e tem também a minha favorita: “A vida é curta, comece pela sobremesa”. Todas escritas por autores desconhecidos, isso não é impressionante?


Mas o que é a filosofia ou a sabedoria popular perto das eternas verdades bíblicas?


Salmistas, patriarcas, profetas e evangelistas, todos movidos pelo Espírito Santo nos ensinam princípios de vida que usam o tema “tempo” para exortação, conselho, instrução e esperança.


Tudo o que existe está diretamente ligado ao fator tempo. Nossos planos, nossos compromissos, nossas expectativas, nossas avaliações e tudo mais que fazemos tornam-se relativos quando colocamos à luz do tempo. Quando o assunto é Missões o tempo também traz importantes referências capazes de clarear nossas avaliações e expectativas.


Estive no Uruguai recentemente junto com o Pr. Sacha, visitando nosso missionário Pr. Marcelo e família. O trabalho completou 10 anos de existência (sem contar os anos de preparo das mais diversas formas que Deus proporcionou) e posso dizer que foi uma verdadeira viagem no “túnel do tempo”. Tive o privilégio de acompanhar bem de perto toda a trajetória do Pr. Marcelo em nossa comunidade, onde fui auxiliar de professor de EBD. Também fui testemunha de sua ordenação, preparo (Missões Avante) e envio. Junto com Pr. Rui e Neimar, levei o Pr. Marcelo, Lilian, Bia, Gabi e Amanda (ainda bebê) na rodoviária para embarcarem em definitivo para o Uruguai. Algumas semanas depois fiz junto com o Nobu, Neimar e André Santos minha primeira viagem para Pando, no Uruguai, para conhecer a casa onde a família estava instalada.


Diante deste breve relato e ainda com as imagens frescas do que vi há poucas semanas durante esta última viagem, senti o desejo de relatar as coisas que eu vi (e as coisas que eu não vi) no Uruguai nestes 10 anos de ministério do Pr. Marcelo e família.


O que eu vi:

  • O Pr. Marcelo com um amor ainda maior pelo povo uruguaio.

  • Uma igreja estruturada funcionando na comunidade (Igreja Betel de Atlântida).

  • Uma parceria ministerial com o Pr. Billy.

  • Um ciclo completo de evangelização na cidade de Pando, com frutos de conversões e batismos que para nossa tristeza se desviaram dos caminhos do Senhor.

  • Testemunho impactante de suas filhas com notas máximas e honrarias nos colégios que estudaram.

  • Conversão do irmão Martin sendo usado como instrumento para mudança de estratégia ministerial — de Pando para Atlântida.

  • Participação da nossa igreja no apoio ao campo missionário através das visitas pastorais duas vezes ao ano, Projeto Amizade, Projeto Amizade 2, viagens missionárias de equipes para construção de uma casa para uma família recém convertida, realização de eventos evangelísticos (aniversários Bia e Gabi), participação nos primeiros batismos.

  • Inúmeras visitas de irmãos da nossa igreja abençoando e sendo abençoados com suas famílias.

  • Intercâmbio com grupos uruguaios trazidos pelo Pr. Marcelo, recebendo-os e hospedando-os aqui no Brasil em eventos estratégicos.

  • Mudanças de hábitos (inclusão cultural) que a família praticou.

  • Degustação de alimentos típicos e diferentes.

  • Mudanças econômicas-políticas que fizeram os notáveis carros, considerados relíquias, sumirem de circulação para dar lugar às marcas chinesas.

  • Tantas outras histórias que precisam ser contadas com gestos, vozes e mais tempo para que não se percam os ricos detalhes que valorizam o momento.

O que eu não vi:

  • A reação da família ao contemplar a fachada da nova casa ao chegar em Pando.

  • A sensação da família ao sentir o frio do primeiro inverno rigoroso.

  • O sofrimento da família ao lidar com o bullying nas escolas das meninas.

  • O choro do Pr. Marcelo quando perdeu todas as suas ovelhas (eu devia estar lá).

  • As doenças respiratórias que a Gabi sofria durante os invernos.

  • A resistência dos amigos do Urupan (clube social) ao novo integrante brasileiro que acabara de chegar ao clube.

  • O pesado ambiente que se repetia a cada novo caso de suicídio de algum amigo ou conhecido na cidade.

  • As horas de dedicação da Lilian e suas filhas para dominar o novo idioma.

  • A saudade que bateu da família que ficou no Brasil.

  • A canseira para se conseguir os documentos de identidade uruguaio para assim regularizar sua situação perante as leis do país.

Muitas coisas boas que aconteceram neste ministério e que só quem vive no campo missionário ou envolvido com evangelismo pode entender, como por exemplo o recebimento da notícia de uma nova conversão, uma resposta positiva ao convite de iniciar um estudo bíblico de alguém que se estava evangelizando, um testemunho de vitória de um discípulo em determinada área que lutava em crescer. Enfim, aqueles momentos de refrigério e satisfação que Deus concede aos seus obreiros como um claro recado: “É meu, somente meu todo trabalho e o teu trabalho é descansar em mim.”


Não vi muitas coisas que aconteceram nestes 10 anos, e isto é certo. Mas quero estar com os olhos bem abertos para ver o que vem pela frente, e te convido a ver, sonhar e participar desta obra que Deus está fazendo no Uruguai através do Pr. Marcelo, Pr. Billy e suas famílias.


Compartilho com vocês meus desejos colocados diariamente em minhas orações em favor de missões no Uruguai:

  • Uma igreja bíblica em Atlântida com um líder local reconhecido pela própria comunidade para conduzir o trabalho.

  • Alegria, persistência e convicção para o Pr. Marcelo e Lilian em seu ministério.

  • Alegria, saúde e satisfação para as meninas viverem um cristianismo verdadeiro quer seja na escola, faculdade ou trabalho (e um bom casamento para a Bia e Gabi, já para a Amanda é muito cedo para pensar nisso, quero ver a caçulinha na casa dos pais pelos próximos 10 anos no mínimo!).  

  • Envio de uma família da nossa comunidade para ter uma experiência de 1 a 2 anos no campo missionário, abençoando e sendo abençoada com o Pr. Marcelo e família.

  • Um envolvimento da nossa igreja com o objetivo de contagiar a todos a amar missões, se compadecer do próximo e obedecer ao chamado de Deus para a nobre missão de espalhar o Evangelho pelo mundo.


Que Deus nos abençoe.


“Para tudo há uma ocasião certa;

há tempo certo para cada propósito debaixo do céu.”

(Eclesiastes 3.1)



Editorial de Marcio Giffoni



© 2018 Igreja Batista Maranata. Todos os direitos reservados.