Por trás de toda mãe tem...

Atualizado: 26 de Out de 2018

Quando você pensa na figura de uma mãe, o que você enxerga? O que a caracteriza? Quais são as possíveis histórias? O que tem por trás de cada mãe?


1) Muito trabalho

Toda mãe sabe que trabalho (muito trabalho) a espera. A vocação de ser mãe é bem mais complexa que as caricaturas do comercial da TV. Gente sorrindo em volta da mesa é apenas um dos muitos e diversos momentos que marcam a carreira de mãe. A mesa está posta, o almoço está pronto e a casa arrumada. De onde veio tudo isso? Ser mãe é uma vocação que envolve muito trabalho.


O trabalho é físico, intelectual e emocional.


Cuidar de filhos exige disposição física. Crianças tem uma rotina que exige da mãe. Hora de trocar as fraldas, de mamar, de comer, do banho, hora disso e daquilo. Tanto isso, como aquilo, exige trabalho físico. Filhos maiores só mudam o cenário, mas o trabalho continua. Hora do inglês, do judô e da escola. E tem até a hora de visitar filhos que moram longe. E assim vai.


O trabalho físico demanda um planejamento intensivo. Para dar conta do trabalho, é preciso um planejamento e uma rotina de tomada de decisão consistentes. Engana-se quem não enxerga o cansaço intelectual da vocação de mãe. Ser mãe requer a capacidade de tomar decisões diárias e das mais diversas: cardápio, rotina da casa, saúde dos filhos, conteúdo escolar, "diplomacia familiar" e até mesmo que informação levar em conta num mundo cheio de opiniões. Não é à toa que filhos olham para mães como "especialistas em tudo"! Para saber muito de muita coisa, é preciso ser mãe!


A intensidade do trabalho físico e intelectual exige da vocação de mãe uma habilidade para controlar suas emoções. Além de toda a dificuldade do trabalho, imprevistos dificultam a labuta.  O trabalho é dificultado, por exemplo, pela teimosia dos filhos. É como se a mãe estivesse remando contra a correnteza. As dificuldades exigem o trabalho emocional para momentos críticos da vocação de mãe: a birra em público, o choro constante, a febre de madrugada, o consolo da filha que terminou o namoro, etc.


É muito trabalho por trás da vocação de mãe. E o que mais tem por trás de cada mãe?


2) Muito cansaço

Tanto trabalho só pode indicar que por trás de cada mãe tem muito cansaço. O cansaço segue o tipo de trabalho. Mães ficam cansadas fisica, intelectual e emocionalmente. Cansa levantar criança, limpar criança, cuidar de criança. Cansa tomar dezenas de decisões por dia, sem a garantia de agradar a todos. Cansa ter que fazer sempre o mesmo com pouco reconhecimento. Por trás de cada mãe tem muito cansaço. O cansaço se mistura com desanimo, que vira perda de foco e que testa a sanidade daquela que cumpre o trabalho excelente de ser mãe.


A situação parece desesperadora. Se você é mãe, conhece a natureza de um trabalho frustrado como ninguém. Sabe o que é trabalhar sem devido reconhecimento. E sabe que além de trabalho e cansaço tem outras coisas por trás de ser mãe.


3) Muita graça

Por que a mãe não joga a toalha? Porque Aquele que designou o trabalho também concede graça para seu cumprimento. Deus criou o trabalho. O pecado distorceu o trabalho. Mas o próprio Deus demonstra graça para redimir o trabalho. E tudo isso se aplica à vocação de ser mãe.


O fascínio que atrai a mulher para ser mãe é rapidamente ofuscado pelo pecado que magnifica o cansaço além da conta. Os comerciais de TV vendem um papel romantizado de ser mãe. Crianças rosinhas e sorridentes abraçam a mãe com o cabelo e unhas feitos. Uma cena que fascina qualquer aspirante à vocação de mãe. Mas os comerciais não mostram o trabalho nem o cansaço antes da coroa do trabalho. Então, o desânimo surge diante de um cansaço que impede a mãe de enxergar o Redentor na execução de sua vocação. Aí, entra em cena a graça de Deus. Para ser mãe, é preciso da graça do Pai.


A graça de Deus Pai é suficiente. A graça é vista no Salvador suficiente e aplicada pela ação suficiente do Espírito Santo. Mãe não joga a toalha porque conta com a graça capacitadora de Deus. A mensagem que salva pecadores também sustenta pecadores. Essa é a esperança da mãe. Quando o trabalho e o cansaço exercem pressões no coração da mãe, espirrando desânimo ou irritação, a graça sustenta. Quando a mãe tenta ou até joga a toalha, a graça recolhe. Cristo sustenta a mãe filha do Pai.


4) Muita satisfação/gratidão

Assim, não é só trabalho, cansaço e graça que está por trás de cada mãe. Mas satisfação em seu coração por saber que seu trabalho não é vão e é garantido pelo Salvador. Existe gratidão por saber que o Senhor usa mães no exercício imperfeito de suas vocações. Pense nisso, o exercício imperfeito de sua vocação nas mãos do Perfeito Pai gera satisfação e gratidão.


Também existe satisfação e gratidão no coração daqueles que foram abençoados através de suas mães. Foi a graça do Pai manifesta no cuidado maternal.


Gratidão e satisfação são as reações comumente afirmadas no dia das mães. Mas pode ser que não sejam exatamente essas reações que marcam esse dia para você. Tristeza e saudades também são comuns. Tristeza por não ser mãe ou saudades por ter perdido a mãe. Gratidão só é possível olhando para a graça do Pai que orquestra situações incomuns para produzir a imagem de Seu Filho em todos nós. A dor é real, mas o consolo é sobrenatural. No dia das mães, com tantas emoções no ar, é possível olhar além para enxergar a graça do Pai, que sustenta e consola aquelas que não são mães, aqueles que perderam suas mães ou simplesmente consolar aqueles cujas memórias não são tão doces.

Graças a Deus pelas mães que temos, gratidão justamente por aquilo que está por trás delas! Louvado seja o nosso Deus!


Onde quer que você esteja, um feliz dia das mães na graça do Pai dos Céus!


Editorial do Pr.Alexandre "Sacha" Mendes



© 2018 Igreja Batista Maranata. Todos os direitos reservados.