Amizades Bíblicas: Tenho ingredientes secretos — Jujubas!¹

Atualizado: 25 de jul.

Depois de passar boa parte de sua “vida” com Andy, Woody tem uma nova dona: Bonnie. Embora seja uma nova pessoa na vida de Woody, vemos os mesmos padrões de seu antigo dono: alguém que se importa com seus brinquedos, cuida deles e brinca com eles. Em uma das cenas de Toy Story 3, Bonnie reúne alguns de seus brinquedos para um lanche, e ela dá para Woody um hamburguer com um ingrediente especial: jujubas. Eu confesso que nunca experimentei nada parecido, mas não me parece ser uma boa combinação.


Quando falamos sobre amizades, há tanto ingredientes que combinam quanto aqueles que não combinam. Nosso foco, nesse editorial, é identificar e desenvolver alguns dos ingredientes necessários para uma amizade saudável.


1. Tempo


Muito é falado sobre tempo de qualidade (e já vamos falar sobre ele no segundo ponto), mas a realidade é que tempo de qualidade só acontece quando há quantidade de tempo. Creio que essa realidade permanece verdadeira para relacionamentos à distância. Amizades só se mantém e crescem se tempo for gasto juntos, ainda que remotamente. Sem passar um certo tempo juntos, você não pode ter uma boa amizade. Entre tantas atividades que nos mantém sempre ocupados, encontrar tempo para estar com nossos amigos pode ser difícil e desafiador. Mas não se engane! Se você quer ter uma amizade centrada no Evangelho e que seja significativa, então você terá que tomar decisões tendo em mente seus amigos. Você precisa planejar, intencionalmente, quando terá tempo de comunhão e com quem.


2. Tempo de Qualidade


Uma vez que o tempo existe, e você e seus amigos estão reunidos, faça bom uso desse tempo. Vá além da superfície, e tenha um propósito em suas amizades. Boas amizades não acontecerão se todas as conversas girarem em torno de esportes, notícias, hobbies, etc. Vocês precisam conversar sobre o que está acontecendo em suas vidas, e como vocês podem ajudar uns aos outros a se tornarem mais semelhantes a Cristo. Orem juntos, compartilhem o que têm aprendido nos devocionais, aconselhem-se uns aos outros, e não tenham medo de se abrir.


3. Afeição Genuína


A afeição genuína é uma disposição para expressar sentimentos gentis em relação a alguém por quem você se importa profundamente. Pense em como você pode demonstrar a outra pessoa que você realmente se preocupa com ela.


4. Busca Mútua


Já ouviu aquele ditado: “Quando um não quer, dois não brigam”? Ele também é real com relação a amizades. Se um não quer, duas pessoas não serão amigas. Deve haver, de ambos os lados, vontade de desenvolver o relacionamento. Um coração que não busca, é, em muitos níveis, um coração que não ama.


5. Serviço Sacrificial


O amor e o serviço aos amigos podem ter um custo. Cristo nos diz que não há amor maior do que se sacrificar por nossos amigos (João 15.13). E a realidade é que nos sacrificar por nossos amigos é algo que teremos a chance de fazer regularmente se mantivermos nossos olhos abertos. Fique ligado às necessidades da outra pessoa, faça perguntas, coloque-se à disposição!


6. Foco em Cristo


Uma das principais razões pelas quais Deus criou as amizades é porque elas são uma ferramenta que Ele nos deu para nos ajudar a crescer à semelhança de Cristo enquanto vivemos uma vida que é agradável a Ele. Como Joshua Greiner diz:


“Um dos aspectos mais desafiadores de tentar se tornar como Cristo é que há, em todos nós, pontos cegos que simplesmente não podemos ver, a menos que alguém os aponte para nós. Muitas das lições de vida que tive [...] vieram de amigos que viram áreas da minha vida que eu achava que estavam ótimas. Eles podiam ver algo que eu não podia, e eles tinham que falar a verdade nessas áreas. Sem eles fazendo isso, eu teria vivido com esse pecado por quem sabe quanto tempo. [...] Se devemos amar nossos amigos mais do que a nós mesmos, devemos constantemente apontá-los para Cristo.”²


7. Vulnerabilidade


Sem vulnerabilidade, você nunca terá uma amizade profunda. Esses relacionamentos nunca durarão ou edificarão como deveriam. Infelizmente, nosso orgulho nos impede de confessar pecados e expor nossos corações uns aos outros. Mas precisamos nos despir desse medo, e nos dispormos a estar em uma posição vulnerável diante dos nossos amigos.


Essa capacidade de ser vulnerável é fruto de colocarmos nossa confiança em Jesus, e não em nós mesmos ou em nossos amigos. Quando confiamos que Jesus cuidará de nós, e temos a certeza de que nossa identidade está nEle, então seremos capazes de nos abrir sem nos preocupar com o que os outros pensarão de nós, ou se eles irão nos machucar.


E quanto mais você é conhecido e sabe sobre seus amigos, mais você irá amá-los e melhor você cuidará deles. Então, comprometa-se a ser transparente, e encoraje os outros a fazer o mesmo. Crie esse ambiente onde falar sobre seu coração é algo natural e edificante. Defina o padrão das conversas, direcione os papos para onde eles precisam ir, compartilhe sua vida, e aos poucos você verá outras pessoas fazendo o mesmo.


8. Perseverança


Por fim, comprometa-se a não desistir. Sim, as pessoas vão te machucar e te decepcionar. Mas se você quer que suas amizades cresçam e floresçam, persevere.


Editorial de Gustavo Santos

¹Esse artigo foi baseado numa série de editoriais publicados por Joshua Greiner: https://blogs.faithlafayette.org/church/essential-ingredients-for-friendship/


²https://blogs.faithlafayette.org/church/friendship-series-8-friendship-requires-us-to-encourage-growth/