Buscar

Como estudar a Bíblia (Parte 3): Estilos literários

Este é o terceiro editorial da série “Como estudar a Bíblia”. Não deixe de ler os editoriais anteriores, pois eles são fundamentais para a compreensão deste texto e no seu aprimoramento do conhecimento bíblico.


A Bíblia é um livro muito diversificado em gêneros literários. Quando você abre sua Bíblia é como se você estivesse entrando numa livraria ou em um sebo com suas dezenas de estantes e prateleiras cheias de livros. Em geral, esses lugares organizam os livros por gêneros literários como estantes de suspense, romance, poesia, história e muito mais. Cada livro das Escrituras tem um estilo literário predominante, e saber qual estilo você está lendo o ajudará a compreender melhor a forma que o autor transmite seus ensinos, como ele tece sua argumentação, e a intensidade na qual a mensagem foi escrita.


A declaração de Chicago sobre hermenêutica bíblica foi uma conferência para reafirmar para os cristãos os princípios fundamentais da interpretação bíblica. Quase todos os artigos desta declaração falam sobre gêneros literários, e como eles são importantes para uma interpretação fiel da Bíblia. O artigo XV é muito importante, e diz o seguinte: “Declaramos a necessidade de interpretar a Bíblia de acordo com seu sentido literal, normal. O sentido literal é o sentido gramatical e histórico, ou seja, o expressado pelo autor. A interpretação literal leva em conta todas as figuras de linguagem e os estilos literários existentes no texto.” [1]


Entendendo a narrativa

O gênero narrativo, que compõe grande parte da Bíblia, é uma história relatada com o intuito de transmitir uma mensagem por meio do contexto das pessoas, problemas e circunstâncias de suas vidas. A narrativa não é, necessariamente, exaustiva nas características dos personagens e dos cenários onde a história se desenrola, pois não é exatamente igual a uma biografia. Contudo, o material selecionado na narrativa é sempre suficiente para transmitir o que o autor deseja, ainda mais quando compreendemos que foi o Espírito de Deus que inspirou os autores bíblicos.


O livro de 2 Samuel narra diversas histórias sobre a vida pessoal do rei Davi e sobre como ele expandiu o seu reino. Os capítulos 11 e 12 mostram seu pecado com Bate-Seba. Os capítulos 13 a 21 narram inúmeros pecados de Davi e suas consequências desastrosas. Em contraste, 1 e 2 Crônicas omitem os pecados de Davi, focando em como ele foi um bom rei, mostrando o trabalho dos sacerdotes e a construção do templo. Embora as histórias e os personagens sejam basicamente os mesmos, os detalhes foram escolhidos para transmitir a mensagem que o autor desejava transmitir.


Entendendo a poesia

Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cantares são os principais livros poéticos do Velho Testamento, mas este estilo não se restringe somente a tais livros. O Novo Testamento também apresenta alguns trechos poéticos, como o cântico de Maria (Lucas 1.46–55). O estilo de poesia hebraica é diferente do estilo ocidental que adota métrica e rima. Esse estilo é marcado pelo paralelismo entre duas linhas ou mais. O paralelismo é um modo de expressar as relações entre ideias, majoritariamente usada por comparação ou contraste. Observe o exemplo:


“Por isso os ímpios não resistirão no julgamento,

nem os pecadores na comunidade dos justos.

Pois o Senhor aprova o caminho dos justos,

mas o caminho dos ímpios leva à destruição!”

(Salmo 1.5, 6)


No versículo 5 temos a comparação entre “ímpios” e “pecadores”, “julgamento” e “comunidade dos justos”. No versículo 6, esse contraste é reforçado pelo uso da palavra “mas”. Para uma boa interpretação dos livros poéticos, também é necessário reconhecer o uso intenso das figuras de linguagem e do contexto histórico do livro.


Entendendo os discursos

Também conhecido como literatura epistolar, o gênero de discurso ocorre nos livros de Romanos até Judas. Alguns outros livros podem conter este gênero, mas, em geral são breves citações dentro de uma narrativa. Os discursos geralmente são apresentados como expositivos ou exortativos. No expositivo, são explicadas determinadas verdades bíblicas e doutrinas, sempre se apoiando no discurso lógico. No exortativo, as pessoas são chamadas a seguir alguns comportamentos ou buscar características baseadas na Verdade.


Muitos dos discursos feitos por Paulo são endereçados a grupos específicos de cristãos ou a indivíduos. Nos discursos paulinos podemos encontrar tanto instruções gerais, que se aplicam a todos nós em todas as épocas, como assuntos específicos de uma determinada cultura e região que trazem um princípio geral, como o uso de véu na igreja de Corinto (1 Coríntios 11.3–16), que era uma demonstração de submissão da mulher (caráter geral) demonstrada com o uso do véu (caráter cultural).


Entendendo a profecia

A literatura profética consiste em textos que trazem predições futuras na época de sua redação e com frequência incluem determinações para que os ouvintes dela mudem suas vidas em função do que foi dito. A única voz que fala com certeza sobre o futuro é a do próprio Deus. A soberania das profecias está intimamente ligada ao Senhor e Seus planos. As profecias da Bíblia procedem do próprio Deus, como diz em 2 Pedro 1.20, 21: “Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo.”


Muitas das profecias da Bíblia já se cumpriram, principalmente na vida de Cristo. No entanto, outras tantas ainda não se cumpriram e aguardam a volta de Cristo para se cumprirem. O livro de Apocalipse fala muito sobre os acontecimentos futuros como a volta de Cristo, o julgamento final, a redenção de Israel, entre outros assuntos. Cheio de figuras de linguagem e imagens complexas, é o livro mais fascinante quando falamos de literatura profética.


Contudo, mais do que apenas nos informar sobre o futuro, as profecias também apresentam diversos temas relevantes para o nosso presente:


  • Consolo

Em 1 Tessalonicenses 4.18, Paulo fala aos tessalonicenses que eles deveriam se consolar em ter conhecimento do arrebatamento de Cristo, e que seus entes amados que creram ressuscitariam neste dia fabuloso. Todos os seus sofrimentos e tristezas passariam.


  • Santidade

Como o cristão sabe que o Senhor pode voltar a qualquer momento, ele é impelido a viver uma vida que O agrade. Enquanto aguardamos o novo céu e nova terra, devemos nos empenhar para sermos achados sem mácula (2 Pedro 3.14).


  • Esclarecimento

As profecias também trazem um tom esclarecedor como um rolo que vai sendo aberto mostrando o que será do amanhã. O próprio Deus clarifica para nós Seus planos e nos fornece uma visão do que fará pela Igreja, no mundo, com os incrédulos e com Satanás.


  • Conforto

Nestes dias maus e violentos, saber que o Senhor cuida do Seu povo é motivo para nos acalmarmos em meio às tempestades do dia a dia. Deus é a pessoa mais confiável que existe, e esta verdade deve trazer paz ao nosso coração aflito e vacilante.


Há muito mais para estudar sobre os gêneros literários na Bíblia. Este texto é apenas um arranhão na superfície desse tema tão complexo. Desejo que você continue crescendo no conhecimento do Senhor por meio do conteúdo dessa série. Que Deus abençoe seu estudo e dedicação em conhecê-lO mais por meio de Sua Palavra.


Editorial de William Rubial

[1] http://www.alliancenet.org/the-chicago-statement-on-biblical-hermeneutics

© 2018 Igreja Batista Maranata. Todos os direitos reservados.