Ladrões de vitalidade: Ira/Impaciência

Atualizado: Jan 26

A ira é um dos pecados mais comuns em nossas vidas. Dificilmente você irá encontrar alguém hoje que não tenha tido um leve momento de impaciência com algo que fugiu a seu controle nesta semana ou até mesmo neste dia. Nossa ira demonstra um coração focado em coisas erradas, e que deseja ter tudo sob o seu controle para poder satisfazer seus desejos.


No livro de Jonas, vemos uma situação em que o próprio Deus pergunta sobre o estado de ira do profeta: “É razoável essa tua ira por causa da planta?” (Jonas 4.9). Na situação em questão, um verme havia ferido uma planta que Deus havia feito nascer por cima de Jonas, secando-a. A ira de Jonas demonstrava um desvio de foco tão grande, que Deus fez uma outra pergunta para ele:


“Tornou o Senhor: Tens compaixão da planta que te não custou trabalho,

a qual não fizeste crescer, que numa noite nasceu e numa noite pereceu;

e não hei de eu ter compaixão da grande cidade de Nínive,

em que há mais de cento e vinte mil pessoas,

que não sabem discernir entre a mão direita e a mão esquerda,

e também muitos animais?”

(Jonas 4.10, 11)


O verme havia tirado Jonas do sério, pois o fez perder um benefício que ele muito valorizava: a sombra. Entretanto, quando se tratava da vida dos ninivitas, Jonas agia com desprezo, pois não acreditava ser justo que fossem salvos. Ou seja, a ira está ligada também a nosso senso de justiça e esse é justamente o primeiro ponto de nossa reflexão sobre como a ira tira a nossa vitalidade, assim como tirou a de Jonas a ponto de até desejar a morte.


A ira não produz justiça


“Porque a ira do homem não produz a justiça de Deus.”

(Tiago 1.20)


O primeiro motivo pelo qual a ira rouba nossa vitalidade é o fato de ela não produzir a justiça de Deus. Por mais que a ira seja uma de nossas respostas a uma situação de injustiça, ela não é capaz de revertê-la. Muito pelo contrário, muitas vezes a ira só piora essa situação.


A ira provoca contendas


“O iracundo levanta contendas, e o furioso multiplica as transgressões.”

(Provérbios 29.22)


Em vez de trazer justiça, a ira nos leva a contendas e transgressões. Por mais que seja possível não pecarmos quando nos iramos (Efésios 4.26), isto só ocorre se a ira é fruto de um zelo pelas coisas de Deus e não por nossos desejos e senso de justiça própria. As contendas são fruto justamente desses nossos desejos (Tiago 4.1) que, ao serem diferentes entre as pessoas, acabam por gerar divergências e ainda mais ira.


A ira acaba mal


“Deixa a ira, abandona o furor; não te impacientes; certamente, isso acabará mal.”

(Salmo 37.8)


Em razão das contendas, transgressões e suas consequências, não é difícil vermos em situações de nossas próprias vidas que a ira não costuma acabar muito bem. Ela fere pessoas, desfaz relacionamentos, gera prejuízos, entre tantas outras coisas que nos roubam a vitalidade, nos entristecem e nos destroem (Jó 5.2).


A ira nos deixa transtornados

“Irou-se, pois, sobremaneira, Caim, e descaiu-lhe o semblante.”

(Gênesis 4.5b)


Essa tristeza que a ira traz é capaz de fazer descair nosso semblante de tão transtornados que ficamos sob seu poder. E isto é, muitas vezes, visível para as pessoas ao nosso redor, como foi para Deus a respeito de Caim, que, por não ter tido sua oferta aceita por Deus, muito se irou. Isto o levou a uma grande transgressão contra Deus, o assassinato de seu irmão Abel.


A ira nos deixa sob o julgamento de Deus


A ira de Caim o levou a ser amaldiçoado por Deus (Gênesis 4.11). Esse julgamento severo do Senhor nos aponta para o Evangelho de Mateus: