Lidando Com o Luto

Uma pesquisa recente revela a dificuldade dos brasileiros em lidar com a morte. O estudo apresentou que 68% dos entrevistados responderam afirmativamente quando perguntados se achavam desafiador lidar com o luto. Outro dado importante da pesquisa foi a baixa presença do tema no dia a dia: “74% afirmam não falar sobre a morte no cotidiano. Os brasileiros associam também a morte a sentimentos difíceis, como tristeza (63%), dor (55%), saudade (55%), sofrimento (51%) e medo (44%)”.*


Essa pesquisa revela algo que a Bíblia ensina de maneira bem clara e honesta: A morte não é algo natural, por isso é difícil lidar com ela. Porém, algo que a pesquisa ou mesmo nenhum cientista pode fazer é fornecer ajuda e suporte para um individuo lidar com a morte e o luto como Deus deseja, utilizando as explicações e consolo contidos na Bíblia. Neste editorial, iremos olhar para algumas verdades bíblicas que nos dão esperança e nos ajudam a lidar com o luto.


1. Abrace o diagnóstico bíblico sobre a morte


“Porque o salário do pecado é a morte,

mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.”

(Romanos 6.23)


A maneira como as Escrituras explicam a existência da morte é completamente diferente de como o mundo explica. Na cosmovisão do mundo, a morte é natural e parte da vida. Porém, na Bíblia a morte entrou no mundo em Gênesis 3, quando os nossos primeiros pais, Adão e Eva, comeram do fruto proibido. O apóstolo Paulo, muitos anos depois, sintetiza para nós em Romanos 6.23 que a causa da morte é o pecado.


Neste sentido, a explicação bíblica da existência da morte se encaixa de maneira mais adequada com os dados revelados nesta pesquisa. Se a morte é tão natural como o mundo afirma, por que as pessoas têm tanta dificuldade de lidar com ela ou até mesmo de falar sobre ela? Mas a verdade bíblica é que vivemos em um mundo caído, onde a morte está presente como uma intrusa e inimiga (1 Coríntios 15.26).


Portanto, é importante termos o diagnóstico correto quanto à morte, especialmente porque essa convicção nos torna capazes de usar o remédio fornecido pela Bíblia. Paulo não somente conta a má notícia de que o salário do pecado é a morte, mas também afirma que a solução é o presente de Deus, a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor. Ou seja, ao abraçarmos o diagnóstico correto que a Palavra de Deus fornece sobre a morte, somos capazes de olhar além das nossas limitações como criaturas mortais para o Criador que Se fez homem, carregou os nossos pecados morrendo em uma cruz e ressuscitou vitorioso ao terceiro dia! (1 Coríntios 15.3, 4).


2. Lamente diante do Cordeiro de Deus


“Até quando, Senhor? Esquecer-te-ás de mim para sempre?

Até quando ocultarás de mim o rosto? […]

No tocante a mim, confio na tua graça; regozije-se o meu coração na tua salvação.

Cantarei ao SENHOR, porquanto me tem feito muito bem.”

(Salmo 13.1, 5, 6)


Diversos Salmos são classificados como Salmos de lamento, pois neles podemos identificar elementos de queixa, petição, confiança e louvor. Um ótimo exemplo é o Salmo 13, que é um Salmo de lamento curto que nos ensina que levar nossas frustrações e problemas de maneira honesta diante de Deus não é pecado. Na verdade, o Senhor espera que façamos isso. No processo de lamento, ao debruçarmos diante da Palavra de Deus, nossos olhos e corações passam das nossas circunstâncias para o Senhor, culminando em louvor e confiança em Deus.


Além disso, os cristãos lamentam diante do Cordeiro de Deus, e isso é um privilégio incrível! Diante de seu sofrimento e seu estado diante de Deus, Jó exclamou: “Porque ele [Deus] não é homem, como eu, a quem eu responda, vindo juntamente a juízo. Não há entre nós árbitro que ponha a mão sobre nós ambos” (Jó 9.32, 33 – acréscimo do autor). Nós, porém, temos neste estágio da história de salvação um Salvador que é tanto Deus como homem. Temos um substituto perfeito em Jesus, um homem de dores, que sentiu fome, sede, dor e que chorou ao lamentar a morte de Seu amigo Lázaro.


3. Anseie pelo Novo Céu e Nova Terra


“Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram,

e o mar já não existe. Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu,

da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo.

Então, ouvi grande voz vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens.

Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles.

E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá,

já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram.”

(Apocalipse 21.1–4)


Como temos visto, a morte é uma intrusa e não algo natural. No entanto, a dor que a morte traz e a desilusão com este mundo não é algo estritamente ruim. O anseio dos nossos corações por uma comunhão profunda e eterna é confrontado com a realidade da separação da morte, gerando em nós a busca por uma solução diferente.


As Escrituras afirmam que Deus fará novo céu e nova terra, um lugar de comunhão plena com o Senhor e com o próximo, para sempre! Viveremos na Nova Jerusalém, uma cidade projetada por Deus onde não haverá mais dor, sofrimento, lágrimas, morte ou luto, pois o Cordeiro de Deus venceu, e aqueles que estão unidos a Ele pela fé estarão juntos para sempre!


4. Sirva fielmente enquanto aguarda o Senhor Jesus Cristo retornar


“É ele que nos conforta em toda a nossa tribulação,

para podermos consolar os que estiverem em qualquer angústia,

com a consolação com que nós mesmos somos contemplados por Deus.”

(2 Coríntios 1.4)


Uma das promessas que vemos nas Escrituras é que servimos o Deus de toda consolação que, quando sofremos, prontamente nos consola por meio do Espírito Santo usando a Palavra de Deus e o corpo de Cristo, a igreja. Portanto, um dos propósitos deste consolo que recebemos de Deus em nossas tribulações é para que possamos consolar uns aos outros, conforme o apóstolo Paulo afirma em 2 Coríntios 1.4.


É muito importante não perder esse objetivo de vista, pois uma das tentações de alguém que sofre com o luto é uma preocupação excessiva com si mesmo. Essa preocupação se manifesta em autocomiseração pecaminosa, que vai além do lamento bíblico. Por isso, lamente e chore diante de Deus e de alguém que você confia, mas não deixe de usar o consolo que você recebeu para abençoar outros e ser útil no Reino de Deus.


Em resumo, a morte é uma intrusa causada pelo nosso pecado, por isso se dedique a conhecer Aquele que venceu a morte e o nosso pecado, o Senhor Jesus Cristo. Aprenda a lamentar diante de Deus usando a Sua Palavra, e anseie pela habitação de Deus com os homens onde estaremos para sempre com o Senhor. Enquanto esperamos, sirvamos fielmente, para que fique claro que não vivemos mais para nós mesmos, “mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou” (2 Coríntios 5.15).


Editorial de Leonardo Cordeiro

* Solidão no luto: pesquisa inédita mostra dificuldades dos brasileiros para lidar com a morte - BBC News Brasil