Somos minoria

Em um mundo caído, corrompido pelo pecado desde a queda no jardim, a tendência natural do homem sempre foi viver por conta própria, à parte de Deus. Queremos ser deuses de nossas vidas, decidir o que é bom, o que é prioridade, onde investir nosso tempo e dinheiro, viver em busca apenas de objetivos pessoais sem considerar que há um Deus nos céus, o criador de todas as coisas. Desde a primeira mentira, “…é certo que não morrereis” (Gênesis 3.4b), dita à mulher pela serpente lá no jardim, o homem tem optado voluntariamente por acreditar nessa mentira e rejeitar a verdade de Deus, consequentemente nos tornamos escravos do pecado e estamos destituídos da glória de Deus (Romanos 3.23).


Considerando essa realidade, vemos nossa sociedade moralmente corrompida. Em se tratando de culturas, é visível como alguns países se destacam com alguns valores morais, como filas bem organizadas, respeito aos mais velhos, ruas e praças mais limpas, sexualidade sem distorções nem sensualidade exagerada, corrupção num nível baixíssimo — ainda que existente, os valores da família, onde filhos honram e respeitam seus pais e avós. Mesmo que não haja motivação cristã para isso, tais virtudes, por mais que esperadas, não têm sido unanimidade entre os povos, os quais nem mesmo as desejam seguir.


No nosso contexto de Brasil, a corrupção está escancarada em todos os níveis de nossa sociedade, não é difícil encontrar amigos que se exaltam ao sonegar impostos, fazer negócios tirando vantagens ilícitas, o famoso “gatonet”, não devolver o troco errado, licitações fraudulentas nos órgãos públicos, obras superfaturadas, e por aí vai… Não existe um padrão moral absoluto no mundo.


O grande problema é que não existe um padrão absoluto do que é moralmente correto, como o mundo tem caminhado longe de Deus, o “moralmente correto” tornou-se relativo. E é aqui que nasce o problema, cada um faz o que é certo aos seus próprios olhos. Dúvidas têm dividido a opinião da sociedade entre as gerações, como: casamento homoafetivo deve ser considerado normal? Disciplina física na criação dos filhos é correta? Posso mentir por um bom motivo? Adolescentes podem namorar? Se não amo mais meu cônjuge posso me separar? As respostas a essas perguntas divergem muito quando as motivações não levam em conta a existência de um Deus soberano e criador de todas as coisas.


Romanos 1.18-32 deixa claro o desígnio do coração do homem, toda essa distorção nasce no coração, e mostra sua espiral descendente, onde o homem vai se afundando cada vez mais no pecado.


“...porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus,

nem lhe deram graças, antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios,

obscurecendo-se-lhes o coração insensato...”

(Romanos 1.21)


E em Gênesis 6.5 lemos, “Viu o SENHOR que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração.” Contudo a Bíblia nos guia para um padrão de vida digno diante de Deus, onde alguns princípios transcendem culturas, épocas e costumes de uma sociedade. “O caminho do insensato aos seus próprios olhos parece reto, mas o sábio dá ouvidos aos conselhos” (Provérbios 12.15). “Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte” (Provérbios 14.12).


O homem sempre estará “bem-intencionado” aos seus próprios olhos, mas naturalmente caminhará a passos largos para o inferno. Jesus é o padrão moral absoluto. O nosso modelo moral é o Senhor Jesus Cristo, Ele viveu uma vida moralmente correta e nos deixou o exemplo de como viver para a Glória de Deus, nEle temos todas as respostas de como resolver conflitos de moralismo. Ele é o nosso “gabarito”, cabe a nós nos enquadrarmos nEle. “Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado” (Hebreus 4.15). Jesus sabe muito bem como a cultura pecaminosa do mundo nos afeta, mesmo assim Ele nos chama para seu reino com um propósito, ser sal e luz. Por que somos minoria? Nós, que já nos entregamos ao Senhor Jesus Cristo genuinamente, passamos a viver não mais para nós mesmos, mas para Aquele que por nós morreu e ressuscitou.


Naturalmente começa um processo onde no simples fato de viver, “remamos contra a maré”, onde ser honesto passa a ser motivo de chacota entre os colegas, pureza sexual é motivo de piada, pagar todos impostos sem sonegar um centavo é loucura, perdoar àqueles que nos ofendem ou nos causaram algum tipo de dano é ser bobo, investir tempo e dinheiro em igrejas e projetos evangelísticos é desperdício… enfim, todos nós, os que já fomos salvos pelo Senhor, sabemos do preço a ser pago por causa de Cristo. Seja firme, meu querido(a).


Meu desejo é encorajá-lo a fazer a diferença em seu ciclo social, trabalho, família, amigos, mesmo sabendo que podemos receber rótulos pejorativos. O próprio Senhor Jesus afirmou: “...Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me” (Mateus 16.24). O fato de ser minoria, às vezes como o único representante de Cristo no ambiente, pode nos conduzir a uma postura neutra, para evitar conflitos sobre princípios ou coisas do tipo. Haja com sabedoria, confronte em amor com os argumentos bíblicos quando tiver oportunidade. Quando alguém estiver passando por alguma situação difícil, certamente se lembrará de você e de sua postura, e essa pode ser uma oportunidade de apresentar nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.


Somos minoria porque somos peregrinos, aqui não é nossa pátria, “Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro jaz no Maligno” (1 João 5.19). Então te faço uma pergunta: Se não somos mais desse mundo, por que o Senhor ainda não nos levou para nossa casa eterna? A resposta é porque Ele tem um plano em que fazemos parte. Busque no Senhor qual é a “sua missão” neste plano, arregace as mangas e “bora pra luta”. Não é que Deus precise de nós, mas em Sua soberania, Ele nos incluiu neste plano, e isto é um privilégio.

Somos minoria neste mundo, mas Deus é conosco. Quem será contra nós? Não faço parte dessa minoria, e agora? Agora, se você ainda não se entregou ao Senhor Jesus, te convido a fazê-lo HOJE. O próprio Senhor Jesus nos disse: “Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida” (João 5.24).


Deus é Santo, e essa é uma afirmação que deveria fazer o homem tremer de medo, em breve estaremos face a face com Ele para prestarmos conta de nossas vidas na terra. A sentença decretada sobre o homem é a condenação ao castigo eterno por ter rejeitado a Deus, e o homem não pode ser salvo por suas obras, crenças, filosofias, caridades, etc. A única forma é de alguém eterno e perfeito pagar o preço de seu pecado, e esse alguém já pagou, já morreu por você e também já ressuscitou. E hoje Ele te chama ao arrependimento e entrega total de sua vida a Ele. Ele é JESUS! A única solução para o homem é a cruz de Cristo, sem a qual não temos acesso ao Pai, por ela nos tornamos justos diante de Deus (Romanos 3.24). Creia nisso.


Editorial de Dimas Rodrigo



© 2018 Igreja Batista Maranata. Todos os direitos reservados.