No serviço do meu Rei eu sou feliz

Atualizado: 17 de Set de 2018

O serviço na vida do cristão é defendido diversas vezes nas Escrituras, principalmente nos ensinos de Jesus, sendo ele o principal exemplo do servir (Marcos 10.45). Por sua graça, Deus não somente nos capacita a seguir os passos de Cristo, para que nos dediquemos ao serviço, como também nos move a ficarmos felizes ao fazê-lo. Conseguimos perceber essa realidade à medida que vamos crescendo no conhecimento da graça de Deus e no serviço aos irmãos. Um outro lado, ao qual também é importante que nos atentemos, é que esse processo também acontece na vida de outros irmãos. No entanto, às vezes nós não conseguimos nos alegrar da mesma forma com o serviço dos outros e isso se vê claramente na forma como reagimos quando os outros estão servindo. Assim, parece ser mais difícil se alegrar no serviço de outros irmãos do que no seu próprio. De que formas podemos trabalhar isso?


1. Lembrando o que é o serviço

O serviço apresentado nas escrituras é marcado por uma submissão em obediência alegre ao nosso Deus (João 12.26), na qual o cristão se dispõe a amar ao próximo de forma sacrificial, ajudando-o de alguma forma (Ex.: Filipenses 2.6-8, 1 Coríntios 9.19-22, 2Coríntios 11.7,9). Dessa forma, em sua essência, o serviço é resultado de um processo espiritual. Portanto, apesar de o serviço trazer resultados materiais para a comunidade, devemos ser intencionais para avaliarmos o serviço com um foco espiritual também.


2. Lembrando pra quem é o serviço

Apesar de o amor a Deus se manifestar no amor ao próximo, nos perdemos muito facilmente no foco do serviço: Deus e não nós; e acabamos julgando servos que não são nossos (Romanos 14.4). Com essa postura, será que, além de estarmos pecando, estamos sendo pedra de tropeço ao criar um ambiente em que agradar a homens se torna mais importante do que agradar a Deus (Gálatas 1.10)? A realidade de que o serviço é para Deus precisa ser prática ao ponto de afetar a forma que pensamos e agimos: quando as nossas vontades não são feitas, lembremos que elas são só preferências, que o necessário é fazer a vontade de Deus; quando somos afetados negativamente por um serviço do irmão, trabalhemos a mansidão e abramos mão dos nossos “direitos”; quando identificamos algo a ser melhorado, falemos a verdade em amor para edificação do próximo, etc.


3. Lembrando quem é o servo

Nossa percepção do serviço acaba sendo baseada na nossa percepção do servo. Quando temos uma alta estima pela pessoa que está servindo, temos a tendência de nos simpatizar mais com o serviço realizado, o que pode ser exemplificado se pensamos no serviço de Jesus aqui na terra. Certamente, não podemos negar que os irmãos não são perfeitos, como Cristo é, então haverá marcas do pecado no serviço deles, mas precisamos valorizar os irmãos com o mesmo valor que Deus nos valoriza: aquele irmão que está servindo é importante para Deus, visto que Jesus veio morrer por ele. De forma mais concreta, também podemos ser intencionais em nos aproximar dos irmãos que estão servindo no nosso meio.


4. Lembrando quem nos capacita

Primeiramente, a nossa capacidade de servir só ocorre por meio do Espírito Santo de Deus. Portanto, se somos bons servos é porque Ele nos capacitou, não por mérito próprio. Assim, temos esperança de que o mesmo Espírito pode agir no outro irmão para que ele seja igualmente capacitado para o serviço e nós podemos agir orando e/ou sendo resposta dessa oração ajudando o irmão a ser um melhor servo.


Além disso, vale lembrar que esse mesmo Espírito é o que age para que nos contentemos com o serviço dos outros irmãos, visto que esse contentamento vem por meio de uma mudança de coração (não só de atitude), e só Deus pode fazê-la. Por isso, precisamos alimentar o espírito, usando os meios que Deus prometeu abençoar com sua graça. Consequentemente, recebemos o fruto do espírito, no qual está a alegria e a mansidão.


Seja grato a Deus pelas pessoas que trabalham na igreja e ore por elas, sendo intencional em valorizar tanto elas quanto seu trabalho.


Editorial de Tássio Côrtes Cavalcante



© 2018 Igreja Batista Maranata. Todos os direitos reservados.